quinta-feira, 15 de março de 2012

avaliação diagnóstica 9º ano


QUESTÃO 1

A cadeira do dentista



Fazia dois anos que não me sentava numa cadeira de dentista. Não que meus dentes estivessem por todo esse tempo sem reclamar um tratamento. Cheguei a marcar várias consultas, mas começava a suar frio folheando velhas revistas na antessala e me escafedia antes de ser atendido. Na única ocasião em que botei o pé no gabinete do odontólogo - têm uns seis meses -, quando ele me informou o preço do serviço, a dor transferiu-se do dente para o bolso.

- Não quero uma dentadura em ouro com incrustações em rubis e esmeraldas - esclareci -, só preciso tratar o canal.

- É esse o preço de um tratamento de canal!

- Tem certeza? O senhor não estará confundindo o meu canal com o do Panamá?

Adiei o tratamento. Tenho pavor de dentista. O mundo avançou nos últimos 30 anos, mas a Odontologia permanece uma atividade medieval. Para mim não faz diferença um "pau-de-arara" ou uma cadeira de dentista: é tudo instrumento de tortura.

Desta vez, porém, não tive como escapar. Os dentes do lado esquerdo já tinham se transformado em meros figurantes dentro da boca. Ao estourar o pré-molar do lado direito, fiquei restrito à linha de frente para mastigar maminhas e picanhas. Experiência que poderia ter dado certo, caso tivesse algum jeito para esquilo.



Qual o assunto desse texto?



A) Adiamento do tratamento.

B) Dores de dentes.

C) Instrumento de tortura.

D) Tratamento de dentes.

___________________________________________________________________________________
QUESTÃO 2

A melhor amiga do homem



Devemos muito à vaca. Mas há quem a veja como inimiga. A vaca, aqui referida como a parte pelo todo bovino, é acusada de contribuir para a degradação do ambiente e para o aquecimento global. Cientistas atribuem ao 1,4 bilhão de cabeças de gado existentes no mundo quase metade das emissões de metano, um dos gases causadores do efeito estufa. Acusa-se as chifrudas de beber água demais e ocupar um espaço precioso para a agricultura.

O truísmo inconveniente é que homem e vaca são unha e carne. [...] Imaginar o mundo sem vacas é como desejar um planeta livre dos homens – uma ideia, aliás, vista com simpatia por ambientalistas menos esperançosos quanto à nossa espécie. "Alterar radicalmente o papel dos bovinos no nosso cotidiano, subtraindo-lhes a importância econômica, pode levá-los à extinção e colocar em jogo um recurso que está na base da construção da humanidade e, por que não, de seu futuro", diz o veterinário José Fernando Garcia, da Universidade Estadual Paulista em Araçatuba,

 A vaca tem um papel econômico crucial até onde é considerada animal sagrado. Na Índia, metade da energia doméstica vem da queima de esterco. O líder indiano Mahatma Gandhi (1869-1948), que, como todo hindu, não comia carne bovina, escreveu: "A mãe vaca, depois de morta, é tão útil quanto viva". Nos Estados Unidos, as bases da superpotência foram estabelecidas quando a conquista do Oeste foi dada por encerrada, em 1890, fazendo surgir nas Grandes Planícies americanas o maior rebanho bovino do mundo de então. "Esse estoque permitiu que a carne se tornasse, no século seguinte, uma fonte de proteína para as massas, principalmente na forma de hambúrguer", escreveu Florian Werner. [...] Comer um bom bife é uma aspiração natural e cultural. Ou seja, nem que a vaca tussa a humanidade deixará de ser onívora.                                          

Revista Veja. P. 90-91, 17 jun. 2009. Fragmentado. (P120482a9_SUP)



De acordo com o autor desse texto:



A) a agricultura é mais preciosa do que a pecuária.

B) a dependência entre o homem e a vaca é real.

C) a importância econômica da vaca é unanimidade.

D) o ser humano gosta de comer um bom bife.

C) os EUA hoje possuem o maior rebanho bovino.



QUESTÃO3

História da Origem dos Remédios da Mata



Os índios de antigamente, com pouco tempo que apareceram no mundo, pensaram e discutiram juntos sobre a vida cicies dali para frente:

 ─ como será quando as pessoas adoecerem: Como vamos fazer para curar os doentes?

 ─  Um bocado de nós vai morrer para surgir como remédio da mata. Os outros poderão viver usando estes remédios em que vamos nos transformar. Yushã Kuru , uma mulher chamada Fêmea Roxa, falou assim:

 ─  Eu acho muito importante a idéia de vocês. Melhor é virar remédio. Vocês poderão. Eu vou ensinar a vocês. Vou ensinar aos nossos parentes. Os outros concordaram com essa ideia:

 ─  Isso é verdade. Se você conhece bem, você vai nos ensinar. Vai ensinar para nossos filhos e nossos netos.

Yushã Kuru, a Fêmea Roxa, deu muitos conselhos e surgiram os remédios. Uns eram venenos para matar: olho forte, Beru Paepa . Mijo amargo, Isü Muka  . Outro para coceira, Nui . A velha Fêmea Roxa observava bem as folhas e os pés das árvores:

 ─ Esse mato não é remédio forte. E assim foi. Surgiram muitos remédios, todos os remédios que têm na mata. Remédio bom que cura as pessoas. Bom para picada de cobra, picada de escorpião, aranha, reumatismo e fígado.

SHENIPABUM Miyui: História da origem dos remédios da mata. In: História dos antigos. Belo Horizonte. UFMG, 2000. P. 109. Organização: Professores Indígenas do Ácre. (Fragmentado) Adaptado: Reforma Ortografia.



De acordo com esse texto, os remédios que tem na mata surgiram a partir do conhecimento:



A) dos avós.
B) das pessoas
C) de parentes.
D) de uma índia.

__________________________________________________________________________________
QUESTÃO 4



Leia o texto e responda à questão.

LENDA BRASILEIRA




A moita buliu. Bentinho Jararaca levou a arma à cara: o que saiu do mato foi o Veado Branco! Bentinho ficou pregado no chão. Quis puxar o gatilho e não pôde.
            –– Deus me perdoe!

Mas o Cussaruim veio vindo, veio vindo, parou junto do caçador e começou a comer devagarinho o cano da espingarda.

BANDEIRA, Manoel. Libertinagem da Estrela da Manhã. 5ª ed. Nova Fronteira. PROEB/2009



A frase “Bentinho ficou pregado no chão” indica que o personagem sentia.



A) medo
B) raiva
C) medo
D) tristeza
E) orgulho

_________________________________________________________________________________
QUESTÃO 5



CAPA



A inspiradora reportagem sobre as crises de idade nos leva a muitas reflexões, mas acredito que a mais importante delas diz respeito `a estrutura de personalidade que cada um desenvolve. É consenso, entre pessoas maduras e bem estruturadas emocionalmente, que vivemos a vida de acordo com nossa base psicológica. Por isso, é importante que, da infância até o inicio da vida adulta, saibamos estruturar o arcabouço daquilo que seremos. Quem tem um bom alicerce, enfrentará seguramente qualquer tipo de problema. Reinvente-se a cada idade. (Jose Elias Alex Neto, Foz do Iguaçu – PR)

ISTOÉ, 2006.

A palavra que marca a opinião do leitor em relação à reportagem é:



A) Consenso
B) Importante
C) Inspiradora
D) Seguramente





QUESTÃO 6

Eureka: no Polo descobri a terra


Acordamos às 6 h do dia 20 de abril para ir a Iqaluit. Às 8 h já tínhamos lotado o ônibus com algumas toneladas de material e em poucos minutos estávamos no aeroporto. Partimos às 10 h.

Enquanto voávamos na direção norte, olhando da janela do avião, vimos o terreno mudar constantemente. O número de árvores diminuía cada vez mais, os lagos iam ficando congelados e o solo, branco de neve.

Depois de três horas de voo, descemos em Iqaluit, uma cidade de 3 mil habitantes, antigamente um povoado de esquimós.

Anne D’Heursel. Eureka: no Polo descobri a terra. São Paulo, FTD, 1992. Fragmento.



Esse texto pertence ao gênero


A) carta.
B) conto.
C) crônica.
D) relato.
E) sinopse.

___________________________________________________________________________________
QUESTÃO 7

Art. 2º Declaração dos direitos da criança



            “A criança deve beneficiar-se de uma proteção especial e dispor de oportunidades e serviços por assegurado por lei e de outros meios, para que possa desenvolver-se de maneira saudável e normal, nos planos físico, intelectual, assim como em condições de liberdade e de dignidade. Na adoção de leis com este objetivo, a consideração fundamental  deve ser o interesse superior da criança.”



Esse texto tem a finalidade de:



A) explicar um artigo de lei.

B) garantir os direitos da criança.

C) informar sobre direitos da criança.

D) opinar sobre um artigo de lei.

___________________________________________________________________________________
QUESTÃO 8

Leia a tirinha abaixo.



MAS FAZER ISTO COM UM FREGUÊS?

SE EU VIESSE DE VEZ EM QUANDO AINDA VAI!...

É PRA ISSO QUE A GENTE VAI TODO DIA À ESCOLA

“Pessimo!” A PROFESSORA ME DEU OUTRA VEZ



De acordo com essa tirinha, o colega de Mafalda está:



A) triste
B) indiferente
C) orgulhoso
D) inconformado





QUESTÃO 9

Texto I

Você é a favor de clones humanos?



            “Sou contra. Engana-se quem pensa que o clone seria uma cópia perfeita de  um ser humano. Ele teria a aparência, mas não a mesma personalidade. Já pensou  um clone do Bon Jovi que detestasse música e se tornasse matemático, passando  horas e horas falando sobre Hipotenusa, raiz quadrada  e subtração? Ou o clone do  Brad Pitt se tornando padre? Ou o do Tom Cavalcante se tornando um executivo  sério e o do Maguila estudando balé? Estranho, não? Mas esses clones não seriam  eles, e, sim, a sua imagem em forma de outra pessoa. No mundo, ninguém é igual.  Prova disso são os gêmeos idênticos, tão parecidos e com gostos tão diferentes. Os clones seriam como as fitas piratas: não teriam o mesmo valor original.  Se eu fosse um clone, me sentiria muito mal cada vez que alguém falasse: ‘olha lá o clone da fulana’. No fundo, no fundo, eu não passaria de uma cópia.”.

Alexandra F. Rosa, 16 anos, Francisco Morato, SP. (Revista Atrevida nº 34)



Texto 2



            O mundo tem de aprender a lidar com a realidade e com as inovações que acontecem. Ou seja, precisa-se sofisticar e encontrar caminhos para os seus problemas. Assistimos à televisão, lemos jornais e vemos que existem muitas pessoas que para sobreviver, precisam de doadores de órgãos. Precisamos atualmente aqui no Brasil e também em outros países a tristeza que é a falta de doadores. A clonagem seria um meio de resolver este problema! (...)

Fabiana C.E. Aguiar, 16 anos, São Paulo, SP

Sobre “Clones Humanos”, o texto 2, em comparação ao texto 1, apresenta uma opinião:



A) científica
B) complementar
C) contrária
D) preconceituosa
E) semelhante

___________________________________________________________________________________
QUESTÃO 10

Texto 1

Texto 2
O açúcar

O branco açúcar que adoçará meu café
Nesta manhã de Ipanema
Não foi produzido por mim
Nem surgiu dentro do açucareiro por milagre.

Vejo-o puro. E afável ao paladar. Como beijo de moça, água. Na pele, flor. Que se dissolve na boca. Mas este açúcar Não foi feito por mim.

Este açúcar veio. Da mercearia da esquina e. Tampouco o fez o Oliveira, Dono da mercearia. Este açúcar veio. De uma usina de açúcar em Pernambuco. Ou no Estado do Rio. E tampouco o fez o dono da usina.

Este açúcar era cana. E veio dos canaviais extensos. Que não nascem por acaso. No regaço do vale.


Em usinas escuras, homens de vida amarga. E dura. Produziram este açúcar

FERREIRA, Gullart. Toda Poesia. Rio de Janeiro
O Trabalho e o Lavrador

O que disse o pão ao padeiro?
Antes de pão, eu fui farinha,
Farinha que o moinho moía
Debaixo do olhar do moleiro.

O que disse a farinha ao moleiro?

Um dia fui grão de trigo
Que o lavrador ia colhendo
E empilhando no celeiro.

O que disse o grão ao lavrador?

Antes de trigo, fui semente,
Que tuas mãos semearam
Até que me fizesse em flor.

O que disse o lavrador às suas mãos?

Com vocês, lavro essa terra,
Semeio o trigo, colho o grão,
Môo a farinha e faço o pão.

E a isso tudo eu chamo trabalho.

CAPARELLI, Sérgio. Poemas para crianças. Porto Alegre: L&P, 2008. Adaptado: Reforma Ortográfica.



Os textos 1 e 2 tem em comum o fato de:



A) contarem a história de um pão que foi produzido por um lavrador.

B) compararem os sentimentos que envolvem os trabalhadores urbanos.

C) denunciarem as más condições de trabalho do homem do campo.

D) retratarem os processos envolvidos na fabricação de um produto.

___________________________________________________________________________________
QUESTÃO 11

ENTRELINHAS

Os 15 anos de Carol

Carol é uma menina do Rio de Janeiro, tem 15 anos e problemas típicos de sua idade. O livro relata as dúvidas e descobertas da garota sobre o sexo, amor, menstruação, amizade e muitas outras coisas, além do drama que ela sofre por nunca ter namorado ninguém.

Editora RGB
TODATEEN, junho de 2002, p14



A expressão “além do”, que parece em “...além do drama que ela sofre por nunca ter namorado ninguém.” Introduz uma informação:



A) nova.
B) contraditória.
C) errada.
D) negativa
E) inútil

___________________________________________________________________________________
QUESTÃO 12



Naquela sexta-feira 13, à meia-noite, teria lugar a 13ª Convenção Internacional das Bruxas, numa ilha super-remota no Centro do Umbigo do Mundo, muito, muito longe. 

Os preparativos para a grande reunião iam adiantados. A maioria das bruxas participantes já se encontrava no local - cada qual mais feia e assustadora que a outra, representando seu país de origem. Todas estavam muito alvoroçadas, ou quase todas, porque ainda faltavam duas, das mais prestigiadas: a Witch inglesa e a Baba-Yagá russa. 

Estavam atrasadas de tanto se enfeiarem para o evento. Quando se deram conta da demora, alarmadíssimas, dispararam a toda, cada uma em seu veículo particular, para o distante conclave. A noite era tempestuosa, escura como breu, com raios e trovões em festival desenfreado. 

Naquela pressa toda, à luz instantânea de formidável relâmpago, as bruxas afobadas perceberam de súbito que estavam em rota de colisão, em perigo iminente de se chocarem em pleno voo! Um impacto que seria pior do que a erupção de 13 vulcões! E então, na última fração de segundo antes da batida fatal, as duas frearam violentamente seus veículos! Mas tão de repente que a possante vassoura de Witch se assustou e empinou como um cavalo xucro, quase derrubando sua dona. Enquanto isso, a Baba-Yagá conseguiu desviar seu famoso pilão para um voo rasante, por pouco não raspando o chão! 



BELINY, Tatiana. In: Era uma vez: 23 poemas, canções, contos e outros textos para enriquecer o repertorio dos seus alunos.

Revista Nova Escola, edição especial. V. 4, p.16.



Por que a vassoura da bruxa inglesa empinou como um cavalo xucro?



A) Porque ela saiu apressadíssima.

B) Porque ela freou violentamente.

C) Porque a noite era tempestade.

D) Porque a bruxa russa desviou seu pilão.





QUESTÃO 13

O CORVO E A RAPOSA



Um corvo, empoleirado sobre uma árvore, segurava em seu bico um queijo. Uma raposa, atraída pelo cheiro, dirigiu-lhe mais ou menos as seguintes palavras:

__ Olá, doutor corvo! Como o senhor é lindo, como o senhor me parece belo! Sem mentira, se sua voz se assemelha a sua plumagem, então o senhor é a fênix dos habitantes destes bosques.

Diante dessas palavras, o corvo, não cabendo em si de contente, para mostrar sua bela voz, abriu um grande bico e deixou cair sua presa. A raposa apoderou-se dela e disse:

__ Meu caro senhor, aprenda que todo bajulador vive à custa de quem lhe dá ouvidos. Esta lição vale, sem dúvida, um queijo.

O corvo, envergonhado e confuso, jurou, um pouco tarde é verdade, que ele não cairia mais nessa.                                                                                                                      La Fontaine. Fables, 1918



No trecho “...para mostrar sua bela voz, abriu um grande bico e deixou cair sua presa. A raposa apoderou-se dela...”, as palavras em destaque referem-se:



A) à voz.
B) ao bico.
C) à raposa.
D) ao corvo.

___________________________________________________________________________________
QUESTÃO 14


A Costureira das Fadas



Depois do jantar, o príncipe levou Narizinho à casa da melhor costureira do reino. Era uma aranha de Paris, que sabia fazer vestidos lindos, lindos até não poder mais! Ela mesma tecia a fazenda, ela mesma inventava as modas. – Dona Aranha – disse o príncipe – quero que faça para esta ilustre dama o vestido mais bonito do mundo. Vou dar uma grande festa em sua honra e quero vê-la deslumbrar a corte. Disse e retirou-se. Dona Aranha tomou da fita métrica e, ajudada por seis aranhinhas muito espertas, principiou a tomar as medidas. Depois teceu depressa, depressa, uma fazenda cor-de-rosa com estrelinhas douradas, a coisa mais linda que se possa imaginar. Teceu também peças de fita e peças de renda e de entremeio — até carretéis de linha de seda fabricou.



MONTEIRO LOBATO, José Bento. Reinações de Narizinho. São Paulo: Brasiliense, 1973.



A expressão vê-la se refere à


(A) Fada.
(B) Cinderela.
(C) Dona Aranha.
(D) Narizinho.

___________________________________________________________________________________
QUESTÃO 15

O AVENTUREIRO ULISSES

(Ulisses Serapião Rodrigues)



Ainda tinha duzentos réis. E como eram sua única fortuna, meteu a mão no bolso e  segurou a moeda. Ficou com ela na mão fechada.

Nesse instante estava na Avenida Celso Garcia. E sentia no peito todo o frio da manhã.

Duzentão. Quer dizer: dois sorvetes de casquinha. Pouco. Ah! muito sofre quem padece. Muito sofre quem padece? É uma canção de Sorocaba.  Não. Não é. Então que é? Mui-to so-fre quem pa-de-ce. Alguém dizia isto sempre. Etelvina?  Seu Cosme? Com certeza Etelvina que vivia amando toda a gente. Até ele. Sujeitinha impossível. Só vendo o jeito de olhar dela.

Bobagens. O melhor é ir andando.

Foi.

Pé no chão é bom só na roça. Na cidade é uma porcaria. Toda a gente estranha. É verdade. Agora é que ele reparava direito: ninguém andava descalço. Sentiu um mal-estar horrível. As mãos a gente ainda escondia nos bolsos. Mas os pés? Cousa horrorosa. Desafogou a cintura. Puxou as calças para baixo. Encolheu os artelhos. Deu dez passos assim. Pipocas. Não dava jeito mesmo. Pipocas. A gente da cidade que vá bugiar no inferno. Ajustou a cintura. Levantou as calças acima dos tornozelos. Acintosamente. E muito vermelho foi jogando os pés na calçada. Andando duro como se estivesse calçado.

MACHADO, Antônio de A. O aventureiro Ulisses. Contos reunidos. São Pualo: Ática, 2002, p.122.



O enredo se desenvolve a partir da:



A) elegância do personagem.

B) alegria do personagem.

C) fome do personagem.

D) cor do personagem.

E) penúria do personagem.

___________________________________________________________________________________
QUESTÃO 16

Tá tudo na cabeça



Os hormônios não são vilões da adolescência. Uma grande reforma cerebral é a causa do comportamento típico de quem está crescendo.



Eles batem a porta, vivem paixões viscerais, pulam de carros em movimento. Estão constantemente entediados e ansiosos. Prudência e autocontrole parecem termos estrangeiros. O mundo gira em torno de sexo, pensamento que eles não largam nem dormindo. De quem é a culpa? Dos hormônios, diz o senso comum. Resposta errada, afirma agora a ciência. O cérebro jovem, repentinamente atirando em uma forma geral, é a que manda essa brincadeira. Conhecer o estica-puxa-estica dessa fase é essencial para pais e filhos entenderem o que é a misteriosa cabeça deum adolescente.

Os hormônios sexuais, na verdade, estão em abundância no corpo de bebês até o primeiro e o segundo anos deidade, nos meninos e nas meninas, respectivamente. Isto prova que não basta inundar um cérebro infantil com hormônios para torná-los adolescentes: é preciso que esse cérebro mude para então responder a eles. A adolescência faz exatamente isso. (...)

Não se trata apenas de um aumento de peso e volume cerebral. Enquanto algumas estruturas de fato crescem, outras encolhem, sofrem reorganizações químicas e estruturais, e todas acabam por amadurecer funcionalmente. Surgem as habilidades motoras, o raciocínio abstrato, a empatia, o aprendizado social. De posse de um cérebro pronto, nasce um adulto responsável. Mas, até lá, adolescentes tem muito, muito mesmo que aprender.

Galileu, Janeiro de 2006. Nº 174, p. 32-33.

A tese defendida nesse texto é:



A) os pais precisam entender o que se passa com adolescentes.

B) os adolescentes desconhecem regras básicas de socialização.

C) os adolescentes pensam em sexo até quando estão dormindo.

D) os hormônios sexuais  estão presentes até o segundo ano de vida.

E) o cérebro, em mudança, é o responsável pelos atos dos adolescentes.

___________________________________________________________________________________
QUESTÃO 17

GATO PORTÁTIL



Bichanos de apartamento não são condenados a viver confinados. “Embora seja comum os gatos ficarem nervosos e terem medo de sair de casa nas primeiras vezes, é possível costumá-los a ser sociáveis, a passear e até viajar com seus donos numa boa”, afirma Hannelore Fuchs, veterinária especialista em comportamento, de São Paulo. “Basta começar cedo o treinamento e fazê-los aos poucos.” Hannelore conta que tem um gato que adora passear de carro e que vira e mexe vai para praia com ela. “Isso promove o enriquecimento do cotidiano do bicho, o que é sempre externamente positivo”, assegura. “Na Europa e nos EUA, onde os gatos são cada vez mais populares, essa já é uma prática bastante difundida.” 



É um argumento que apoia a tese defendida pelo autor desse texto:



A) Basta começar cedo o treinamento e fazê-lo aos poucos. 

B) Os gatos ficam nervosos e têm medo de sair de casa.

C) Na Europa e nos EUA, onde os gatos são populares. 

D) Hannelore é veterinária especialista em comportamento.





QUESTÃO 18



A porcentagem de tipos sanguíneos varia em diferentes grupos populacionais. Muitos povos indígenas, como várias tribos da América, não possuem o tipo B. No Brasil, os tipos O e A respondem, juntos, por quase 90% dos habitantes. Uma provável explicação para esse fenômeno está em pesquisas ainda não conclusivas: elas indicam que algumas doenças são mais comuns em determinados tipos sanguíneos. O câncer de estômago, por exemplo, seria mais frequente em pessoas com sangue tipo A; a pneumonia e certos tipos de anemia, no tipo B. Conforme certas epidemias se tornam mais frequentes, elas matam mais pessoas de certo tipo sanguíneo – e sobra mais gente dos outros.



É fundamental no texto a ideia que:



A) as epidemias se espalharam por causa dos grupos sanguíneos.

B) os tipos sanguíneos variam de grupo para grupo populacional.

C) os povos indígenas não possuem sangue tipo B.

D) os tipos sanguíneos A e B são menos propícios a doenças.

E) os brasileiros possuem mais sangue do tipo O e A.

___________________________________________________________________________________
QUESTÃO 19


O efeito de humor dessa tirinha está



A) na ordem que o Hagar deu ao amigo.

B) na expressão de espanto do amigo.

C) na obediência à ordem do Hagar.

D) no alívio que o amigo sentiu ao sair.

E) no duplo sentido do verbo “pescar”.

___________________________________________________________________________________
QUESTÃO 20

Além da imaginação.


“Tem gente passando fome.
E não é a fome que você imagina entre uma refeição e outra.
Tem gente sentindo frio.
E não é o frio que você imagina entre o chuveiro e a toalha.
Tem gente muito doente.
E não é a doença que você imagina entre a receita e a aspirina.
Tem gente sem esperança.
Mas não é o desalento que você imagina entre o pesadelo e o despertar.
Tem gente pelos cantos.
E não são os cantos que você imagina entre o passeio e a casa.
Tem gente sem dinheiro.
E não é a falta que você imagina entre o presente e a mesada.
Tem gente pedindo ajuda.
E não é aquela que você imagina entre a escola e a novela.
Tem gente que existe e parece imaginação.”



TAVARES, Ulisses, 1977.





No final desse texto, a expressão “parece imaginação” sugere que as pessoas muito necessitadas:



A) incomodam a sociedade.

B) precisa de ajuda material.

C) provocam sentimento de culpa.

D) são socialmente invisíveis.

E) sobrevivem aos problemas.

___________________________________________________________________________________
QUESTÃO 21

Sua memória vale ouro.



Atire a primeira pedra quem nunca sofreu constrangimento ou aflição por esquecer um nome, uma data ou um assunto. O problema, que parece simples, agrava-se de forma preocupante, principalmente entre os mais jovens. Uma pesquisa revelou que pessoas, mesmo de pouca idade, ao serem obrigados a exercitar várias tarefas em pouco espaço de tempo, sofreram danos na memória. São os famosos brancos.

É frequente o caso dos que se preparam arduamente para concursos ou provas e, no dia dos exames, estão tão nervosos que não conseguem bom desempenho. Segundo o professor titular de Nurobiologia da Memória da Universidade de Brasília, Carlos Tomaz, algumas experiências podem ser tão traumáticas que chegam a provocar uma espécie de amnésia (incapacidade de reter informação). "É a chamada síndrome do stress pós-traumático, que ocorre após atos de violência. A mente se defende, fazendo a memória não registrar o fato que ocasionou o trauma."



Na frase "É a chamada síndrome do stress pós traumático, que ocorre após atos de violência." , o uso das aspas indica:



A) introdução de um diálogo.

B) reprodução de uma citação.

C) existência de uma crítica.

D) critica uma opinião.

E) presença de gíria.

_________________________________________________________________________________
QUESTÃO 22

Israelense cria frango sem penas



Um frango transgênico, sem penas, com a pele vermelha e a carne menos gordurosa foi criado nos laboratórios da Universidade Hebraica de Jerusalém. 

O geneticista Avigdor Cahaner cruzou um pequeno pássaro sem penas com uma ave de granja e obteve o frango careca, maior e mais saudável. 

"As aves consomem muita energia para crescer, mas no processo geram muito calor, do qual se livram, impedindo que a temperatura do corpo se eleve tanto que as mate", explicou Avigdor. Por isso, o crescimento das aves de granja é mais lento no verão e nos países quentes. 

Se não tiverem penas, as aves podem redirecionar a energia para se desenvolver, e não mais para manter a temperatura suportável. 

"As penas são um desperdício, exceto nos climas mais frios onde protegem as aves", concluiu. 



As penas são um desperdício para os frangos por que:



A) superaquecem as aves em todos os climas.

B) refrescam as aves em climas quentes.

C) impedem que as aves produzam energia.

D) limitam o crescimento das aves.

E) atrapalham o movimento das aves.









QUESTÃO 23



O alho bento



Mané Frajola não tinha um centavo. Jurou que ia dar jeito na vida. E deu. Catou uma réstia de alho e saiu pro mundo, apregoando:

– Alho bento! Olha o alho bento!

Parou uma velha.

– Alho bento? Serve prá que?

– Isso aqui tira quebranto, olho gordo, azá de 7 anos. É só mordê, comê metade e passá a outra metade em cima do coração!

A velha levou um dentinho, a peso de ouro. Depois veio um velho. Repetiu a pergunta, ouviu a mesma resposta. Levou! De crédulo em crédulo, Mané Frajola vendeu a réstia toda, até o final da manhã. Estava com os cobres. Mas aí veio o Conde Drácula, chegado da Transilvânia e não gostou da história. Aquela cidade toda cheirava a alho. Resultado: Mané Frajola foi contratado como copeiro do Conde para ganhar dinheiro e parar de vender alho bento. Milagre só acontece quando a prosa do contador de causo padece!



O modo como falam indica que os personagens dessa história são pessoas que:


A) vivem no campo

B) vivem em outro país

C) falam gírias de jovens

D) falam trocando letras



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário